Depressão e ansiedade, como lidar?

//Depressão e ansiedade, como lidar?
  • Vanessa Amaral Barbosa - Palestra Depressão e ansiedade - Psiquiatria BH

Depressão e ansiedade, como lidar?

O número de pessoas que vive com depressão está crescendo. Entre 2005 e 2015 houve um aumento de 18,4% de casos. Segundo a Organização Mundial de Saúde(OMS) 322 milhões de pessoas de todas as idades sofrem com a doença. No Brasil 5,8% da população é atingida pelo problema.

Apesar da existência de tratamentos efetivos, a OMS alerta que menos da metade das pessoas afetadas pela condição no mundo, recebe ajuda médica. Em alguns países este número é inferior a 10%.

Para entender uma pouco mais sobre os aspectos relacionados à depressão, o jornal ATOS HOJE – publicação da Igreja da Lagoinha – em sua edição nº 43, entrevistou a psiquiatra e palestrante cristã Vanessa Amaral Barbosa. Confira!

ATOS HOJE  O que é a depressão?
Dra.Vanessa Amaral Barbosa  É um transtorno emocional, que pode variar de intensidade leve a grave. Os sintomas depressivos incluem: tristeza; perda de interesse por atividades ou prazeres da vida; baixa autoestima; alteração nos padrões de sono e alimentação; diminuição de atenção e concentração e visão negativa do futuro. As pessoas com depressão leve geralmente continuam no trabalho e dão conta de suas responsabilidades, mas funcionam abaixo da sua condição normal. Os episódios depressivos graves, frequentemente apresentam sintomas adicionais de lentidão de pensamento e movimentos, pensamentos de culpa, pensamentos e/ou planos suicidas e sintomas psicóticos (consciência prejudicada da realidade).

ATOS HOJE  Como se dá o diagnóstico da depressão?
Dra.Vanessa Amaral Barbosa  A depressão é caracterizada por uma perturbação duradoura do humor, acompanhada de interrupções simultâneas no pensamento, no comportamento e no funcionamento psicológico do indivíduo. Para ser diagnosticado, esse transtorno deve comprometer o funcionamento social nas principais áreas da vida, como: trabalho, escola, família/casamento.

ATOS HOJE  Qual a relação da ansiedade com a depressão diagnosticada?
Dra.Vanessa Amaral Barbosa  Os transtornos de ansiedade incluem características de medo e ansiedades excessivas e perturbações do comportamento. Esses sentimentos persistem além de períodos apropriados em relação ao desenvolvimento. É muito comum nos estados depressivos estarem presentes os sintomas ansiosos. Os indivíduos vivenciam sofrimento excessivo e recorrente ante a ocorrência ou previsão de afastamento de casa ou de figuras importantes de apego. Também se preocupam com eventos indesejados consigo mesmo, como perder-se, ser sequestrado ou sofrer um acidente.

ATOS HOJE  A partir de sua experiência e atuação profissional, qual foi o principal fator que gerou o alto índice da doença no nosso país?
Dra.Vanessa Amaral Barbosa  Não existe um fator principal que leve à depressão. O funcionamento mental/emocional e a fisiologia estão interligados e são afetados por contínuas relações sociais e acontecimentos no ambiente. Os fatores de risco mais comuns são: vulnerabilidade biológica ou genética, envolve a herança genética herdada; fatores psicológicos, como a timidez e busca excessiva de reasseguramento; eventos estressantes da vida, perdas pessoais, abuso físico ou sexual; estresse contínuo; fatores sociais e emocionais que afetem a qualidade dos relacionamentos e situações de grave humilhação pessoal. O nosso país passa por um momento chamado “crise”, que tem se estendido por um tempo longo. A perda de emprego, a vulnerabilidade econômica com perda do poder aquisitivo e medo do futuro são fatores reais, que podem precipitar ou agravar situações que levem à depressão.

ATOS HOJE  No meio cristão existe dificuldade para aceitar tratamentos com psiquiatras, psicólogos e psicoterapeutas?
Dra.Vanessa Amaral Barbosa  O cristão é um ser humano como qualquer outro, sujeito aos efeitos no corpo físico e emocional desses vários fatores que descrevemos aqui, então, qualquer um em algum momento da vida poderá estar sujeito a um quadro depressivo. Além disso, há casos mais diretamente relacionados a uma genética herdada no seu DNA. O que diferencia o cristão é a sua fé em um Deus que pode todas as coisas, abençoá-lo e ajudá-lo a sair do processo depressivo, inclusive, levando a uma maior resposta ao tratamento. A ciência hoje já admite que a crença religiosa e/ou a fé pode ter um impacto positivo na melhora dos quadros de doenças.

ATOS HOJE  Por que procurar tratamento clínico?
Dra.Vanessa Amaral Barbosa  A medicina evoluiu muito em relação aos medicamentos antidepressivos que tratam a depressão. O uso adequado e supervisionado por um médico especialista pode tirar o paciente mais rapidamente de uma crise grave, e um tratamento psicoterápico de apoio é fundamental para ajudá-lo a retomar as atividades da vida diária, convivência na família, no trabalho e na igreja.

ATOS HOJE  Depressão tem cura?
Dra.Vanessa Amaral Barbosa  Isso vai depender do tipo de depressão que a pessoa apresenta. Os casos leves e relacionados com perdas ou motivado por alterações de contesto de vida, podem ter remissão completa dos sintomas depois de um tempo determinado do tratamento e o médico vai retirar os medicamentos e encerrar o tratamento.

ATOS HOJE  O histórico familiar é um fator importante para a incidência da doença?
Dra.Vanessa Amaral Barbosa  Os familiares de primeiro grau de indivíduos com transtorno depressivo maior têm risco 2 a 4 vezes mais elevado de desenvolver a doença que a população em geral. A hereditariedade é de aproximadamente 40%, e o traço de personalidade neurótica representa uma parte substancial dessa propensão genética.

ATOS HOJE  Qual o caminho a sociedade deve trilhar para diminuir o alto índice de depressão?
Dra.Vanessa Amaral Barbosa  Para lidar com as dificuldades do campo social, o indivíduo deve tentar se localizar melhor em relação ao seu papel social e suas limitações em relação às mudanças. Saber lidar melhor com as perdas, com as quebras de expectativas, me parecem ser fundamental para o equilíbrio emocional.

ATOS HOJE  Dê dicas práticas para nosso leitor seguir, de maneira que previna a depressão.
Dra.Vanessa Amaral Barbosa  Para muitos a felicidade está associada à aquisição de bens materiais, sucesso, dinheiro, poder, padrões rígidos de beleza. Nas redes sociais, a impressão que temos é que todos são felizes e gozam de uma vida plena. Será mesmo que isso corresponde à realidade? Parece que isso nos remete a possibilidade de uma felicidade plena, o que na condição humana é uma utopia.

  • Cultive boas relações interpessoais;
  • Estabeleça um equilíbrio entre o trabalho e o lazer;
  • Tenha tempo para si mesmo;
  • Cuide da saúde física: boa alimentação, boas horas de sono noturno (restaurador). Pratique esportes e atividades físicas;
  • Pratique regularmente exercícios intelectuais (leituras, estudo, atividades lúdicas que estimulem a mente, oração);
  • Atividades de relaxamento e boa respiração;
  • Mantenha uma relação íntima com o Espírito Santo, isso é fundamental.

Renata Giori

2017-11-28T17:48:05+00:00 31 de Março de 2017|Tags: , , |0 Comments

Sobre o Autor:

gplus-profile-picture
A Psiquiatria BH é formada por uma equipe de profissionais de saúde – psiquiatras e psicólogos – que se agruparam com o objetivo de trabalhar a saúde psíquica do indivíduo de uma maneira ampla, considerando sua subjetividade, na busca de sua autonomia.

Deixe um comentário